AS OSCILAÇÕES EMOCIONAIS CAUSADAS PELA LUA CHEIA

AS OSCILAÇÕES EMOCIONAIS  CAUSADAS PELA LUA CHEIA

Mensagem dos Guias Angélicos

Por Taryn Crimi

Em 07 de outubro de 2014

 

 

 

Hoje gostaríamos de focalizar sua atenção na poderosa lua cheia que estará para alinhar com o seu planeta na próxima noite.

 

Gostaríamos de falar sobre os efeitos dramáticos que esta lua poderosa tem em cada um de vocês individualmente e também coletivamente.

 

Certamente tem havido um número de luas novas e cheias muito poderosas e transformadoras este ano; cada uma servindo a um propósito muito necessário.

 

As luas cheias têm um efeito particularmente significativo não somente em cada um de vocês, mas também no seu planeta, pois cada um de vocês é constituído grandemente de água.

 

Tal como o fluxo e refluxo dos oceanos do mundo é influenciado mais dramaticamente durante a lua cheia, vocês também são, cada um de vocês.

 

Vocês provavelmente perceberão que suas emoções ficam mais fortes, mais dramáticas e mais esporádicas do que o normal.

 

Muitos de vocês bem provavelmente experimentaram uma sensação de ser forçado a ficar parado e refletir sobre o que vocês têm manifestado durante este ciclo de luas.

 

Sem dúvida, cada um de vocês está se deparando com oportunidades para refletir sobre as criações que vocês já manifestaram com sucesso em sua vida, pois cada um de vocês tem alguma coisa pelo que ser grato.

 

Com toda certeza vocês também são capazes de discernir o que vocês gostariam de continuar manifestando e o que vocês gostariam de mudar.

 

Isso é parte da beleza de sua realidade física: vocês podem ver suas criações se manifestarem perante seus olhos e sempre lhes é oferecida a oportunidade de fazer uma nova escolha.

 

Esta lua cheia traz com ela a oportunidade de se alinhar com seu bem maior antes de lhes ser pedido para avançar novamente a fim de alcançar os sonhos e desejos que vocês desejam criar.

 

Semelhante a um navio no mar que precisa de um leme com que dirigi-lo, cada um de vocês precisa conceder um tempo para refletir sobre a direção que vocês estão escolhendo tomar para garantir que é para onde vocês gostariam de ir.

 

Esta lua traz com ela não somente a energia de uma “sequência de luas”, mas também é um eclipse solar e, portanto, ela traz a energia de alinhamento amplificada.

 

É-lhes pedido para se alinhar com as verdadeiras crenças principais.

 

No que vocês desejam acreditar?

 

Enquanto cada um de vocês reflete sobre os eventos e momentos que se manifestaram nos últimos dias e até semanas, vocês perceberão que muitas de suas crenças principais têm sido testadas.

 

Por que isso? – vocês se perguntam.

 

A isto nós respondemos: para garantir que o alicerce em que agora vocês construirão seja sólido e em alinhamento.

 

Um alicerce fraco no final levará à extinção da estrutura.

 

Os medos e dúvidas que têm vindo à tona simplesmente são resquícios do “passado”, concedendo-lhes a oportunidade de dissipá-los com sua confiança e fé.

 

Nós lhes garantimos que vocês não estão fazendo nada “errado”, isto simplesmente é parte do processo.

 

Esta lua não somente lhes oferece a oportunidade de refletir até onde vocês chegaram, mas também para onde vocês gostariam de ir a partir daqui.

 

Para muitos os momentos em que é pedido aos humanos que descansem e reflitam parecem ser os mais desafiadores.

 

Disso nós rimos: lembrem-se de que vocês são seres humanos, não feitos humanos.

 

Vocês não precisam encher seus dias com tarefas para sentir como se vocês não o tivessem “desperdiçado”.

 

Os momentos que lhes são dados para simplesmente apenas “ser” são os momentos que mais lhes servem.

 

Então nós os encorajamos a ser gentil com vocês, liberar tempo para descansar, relaxar e estar em paz.

 

Tudo está como deveria estar.

 

Então, com isto, nossa esperança é de termos lhes servido e que aqueles de vocês que precisam desta mensagem a tenham considerado útil.

 

Em Amor e Luz,

Nós somos seus Guias Angélicos 

 

 

Copyright©2012-14 por Taryn Crimi. Todos os direitos reservados

Você pode compartilhar e redistribuir este material contanto que seu conteúdo seja copiado integralmente e sem alteração, seja distribuído gratuitamente e esta nota de direitos e o link sejam incluídos: http://Angelic-Guides.com

 

Tradução: Blog SINTESE http://blogsintese.blogspot.com             

Gratidão, Grãos do Blog Sintese !

DOZE LIÇÕES DE AMOR COM OS ANJOS

DOZE LIÇÕES DE AMOR COM OS ANJOS
Mensagem de Sharon Taphorn
6 de Agosto de 2014.
Trabalhar com os seus anjos pode ajudá-lo a expandir a sua compreensão do seu mundo, daqueles ao seu redor e como trabalhar melhor com todos os desafios da vida e encontrar o equilíbrio, a paz e a harmonia para si mesmo. Aqui estão 12 lições de Amor dos Anjos pra ajudá-lo a dominar e a ganhar uma maior compreensão do mundo e do seu espaço nele.
O AMOR INCONDICIONAL NÃO TEM OUTRA AGENDA
Desenvolva a sua empatia, de modo que possa compreender melhor as coisas a um nível mais profundo. Você, então, é capaz de encarar a situação a partir de sua verdade e, também, compreender o que é mais importante, e que somente o amor é real.
“Eu dou e recebo amor de forma incondicional.”
O AMOR TEM MUITAS FORMAS
Não há problema quanto à maneira com que você escolhe expressar o seu amor. Abra a sua consciência para os tesouros do mundo ao seu redor. Todos mostram o seu amor de formas diferentes e quando você se torna consciente das muitas formas do amor, você se conscientiza do aspecto subjacente de toda a vida. Esteja aberto à verdadeira expressão do amor em suas muitas formas, contanto que elas tenham como base o Amor.
“Eu vejo as ações amorosas dos outros sendo expressas ao meu redor, através de pensamentos e sentimentos de amor incondicional e de ações de serviço a todos e a tudo o que é.”
SEJA PURO DE CORAÇÃO
Seja fiel a si mesmo. Deixe de lado qualquer coisa que não seja autêntica e todas as atividades que não reflitam as suas intenções e desejos mais elevados para si mesmo. Se houver algo que não esteja funcionando em sua vida neste momento, esteja disposto a liberá-lo e comece novamente. Lembre-se de que uma centelha da luz do Criador habita em seu coração sagrado.
“É seguro que eu seja um ser autêntico e verdadeiro. Eu sou um ser de Amor.”
O AMOR É A JORNADA
Desperte o seu sentimento de respeito e de admiração. Todos os dias você está fazendo novas descobertas sobre si mesmo, sobre a sua vida e o seu mundo. Desperte o seu sentimento de respeito e de admiração, enquanto explora e brinca com o Universo. Mantenha o seu coração e a sua mente abertos para novas informações e novas experiências que estão disponíveis para você e veja  o que novas descobertas a cada dia podem trazer.
“Minha vida é uma jornada maravilhosa de contínuas auto-descobertas.”
TODAS AS PRECES SÃO OUVIDAS E ATENDIDAS
Suas preces estão sempre sendo ouvidas e sempre sendo atendidas. Algumas vezes, você pode não se sentir assim, porque a resposta vem de maneiras inesperadas. Os Anjos solicitam que você seja mais observador. Observe tudo o que você ouve, diz, pensa e sente. Esteja especialmente alerta à ajuda que chega até você, e tenha certeza de aceitar esta ajuda. Você merece esta ajuda, e muitas vezes, Deus recruta pessoas para agir como Anjos Terrestres que lhe trarão as respostas que você busca.
“Quando eu peço auxílio, lembro-me de ser mais observador para as mensagens e sinais designados a me ajudar a fazer as melhores escolhas para mim e a minha vida.”
O PERDÃO
O Perdão é amor e é algo que você faz para você, não para qualquer outra pessoa. Isto inclui se perdoar, perdoar o passado e as escolhas que fez. Lembre-se de que pessoas, situações e experiências difíceis são todas experiências para ajudá-lo a crescer, aprender e expandir. Sem elas, você estaria menos inclinado a evoluir. Abençoe-as com o amor incondicional, enquanto as libera, as situações ou as pessoas. Isto lhe serviu bem e é o momento de deixar isto de lado e fazê-lo com amor. Veja o lado bom disto e o libere. Você está pronto para se libertar deste fardo. Veja as lições e o amor.
“Eu me perdôo e aos outros e estou pronto para liberar o passado e avançar para algo mais significativo para mim, para a minha vida e o meu crescimento.”
CONTEMPLE O AMOR TODOS OS DIAS
Reserve algum tempo todos os dias para se conectar com os seus anjos e observe como a sua vida começa a assumir uma nova luz e a receber apoio para viver a vida que você sabe que veio aqui experienciar. Aproveite o tempo para contemplar o amor e todos os seus gloriosos aspectos em sua vida. A vida se torna mais bela quando você a vê através dos olhos dos seus anjos. Uma prática de meditação diariamente o ajudará a se ver, e a sua vida com uma nova luz do amor.
Quando eu reservo um tempo a cada dia para me conectar com o meu próprio espírito, minha vida, minhas decisões e aspirações se tornam mais claras e mais fáceis, e a minha vida muda.”
O AMOR TEM MUITAS FORMAS
Não há problema quanto à maneira com que você escolhe expressar o seu amor. Abra a sua consciência para os tesouros do mundo ao seu redor. Todos mostram o seu amor de formas diferentes e quando você se torna consciente das muitas formas do amor, você se conscientiza do aspecto subjacente de toda a vida. Esteja aberto à verdadeira expressão do amor em suas muitas formas, contanto que ela tenha como base o Amor.
“Eu vejo as ações amorosas dos outros sendo expressas ao meu redor, através de pensamentos e sentimentos de amor incondicional e de ações de serviço a todos e a tudo o que é.”
O AMOR NUNCA COAGE
Peça aos seus anjos que lhe revele o afeto, o amor e a grandeza de outras pessoas. Peça aos seus anjos para ajudá-lo a focar os seus olhos nas ações amorosas e os seus ouvidos, nas palavras  amorosas. Não peça a oportunidade de ser mais amoroso, pois isto irá estabelecer oportunidades para a busca de mais maneiras de ser mais amoroso, e, muitas vezes, isto cria oportunidades desafiadoras que você não desejou assumir. Permita que o amor lhe seja revelado e observe como ele se revela na evidência da vida que está ao seu redor.
“Permito que o amor seja exposto nos corações de todos ao meu redor e que ele inflame uma ação amorosa ao redor daqueles que testemunham a sua expressão.”
O AMOR É A LINGUAGEM UNIVERSAL

Reconheça a beleza que está dentro de você, pois quando o fizer, encontrará mais beleza para ver em seu mundo e você incentivará outros a revelar a beleza que está dentro deles. Sua beleza interior é como um botão, esperando se abrir e sentir o sol brilhando em você. Aprecie a essência maravilhosa que é você e incentive o seu crescimento. Esta linguagem não expressa é a do Amor e pode ser sentida por todos e tudo.

“A beleza em mim saúda a beleza nas vidas de todos aqueles que eu tenho a honra e o privilégio de tocar neste dia.”
O AMOR MUDA COM O PASSAR DO TEMPO
No entanto, nunca deixe que o Amor seja diminuído. Ele está sempre presente em sua plenitude e é expresso por um coração bem aberto, e evidente na vida ao seu redor. Abra o seu coração para a plenitude que o amor tem a oferecer.  Ouse ser corajoso o suficiente para dar este salto de fé e confie nas mudanças que a sua expansão traz como parte da grande cena e que você compreenderá o que precisa, quando precisar.
“Estou seguro com as constantes mudanças que a vida traz ao meu caminho.”
VEJA O MUNDO ATRAVÉS DOS OLHOS DOS ANJOS
Permita que o anjo dentro de você, reconheça e honre o anjo dentro dos outros e você estará vendo o mundo com os olhos compassivos do amor.
“Trato a todos que encontro com bondade e compaixão. Vejo todos e tudo através dos olhos dos meus anjos. Em todos os lugares ao meu redor, eu vejo o Amor.”
Sharon Taphorn é uma professora, escritora, autora, curadora, mãe, guia e guardiã. Ela compartilha a sua sabedoria, espírito e paixões em todo o mundo, através dos seus programas de rádio, oficinas, trabalhos de cura, textos, livros, meditações e mais. Sua Sabedoria dos Anjos e seu livro “Orientação dos Anjos – Mensagens de Amor e Cura, ajudam milhares ao redor do mundo, a cada dia. O trabalho de Sharon com os anjos pode também ser encontrado em Beliefnet – um site de 250.000 usuários registrados, que se dedicam a ajudar pessoas como vocês a encontrar e percorrer um caminho espiritual que traga conforto, esperança, clareza, força e felicidade. Seu trabalho sobre a espiritualidade, a cura e o despertar tem sido destacado em diversas revistas como: “The Sedona Journal of Emergence”, “OK in Health”,” Issues Magazine” e em jornais.
Tradução: Regina Drumond – reginamadrumond@yahoo.com.

A Páscoa como Renascimento Interior – Texto sobre Filosofia Esotérica

www.FilosofiaEsoterica.com  

Um Processo Circular de Renovação da Vida

Carlos Cardoso Aveline

A ressurreição que a Páscoa cristã comemora anualmente está ao alcance de cada ser humano o tempo todo.

O cristianismo velho e triste do dogma, da cruz e da intolerância dará lugar durante o século 21 a uma nova espiritualidade inter-religiosa, filosófica, otimista e voltada para o futuro.

A tradição cristã – assim como outras religiões – pode e deve passar por uma morte e um renascimento. A disciplina espiritual é dura e inevitável para quem quiser trilhar o caminho místico. Mas ela não é feita de tristeza ou dogmatismo, e sim de liberdade interior,  responsabilidade própria e contentamento.

A própria base da tradição cristã é pagã, panteísta e ecológica. As principais datas do calendário cristão se apoiam, na verdade, sobre comemorações não-cristãs que celebram o Sol e os ciclos naturais.

A Páscoa, por exemplo, é comemorada no equinócio da primavera, no hemisfério norte, e no equinócio do outono, no hemisfério sul.  Nesta época do ano, a noite e o dia têm exatamente a mesma duração. A partir da Páscoa, o equilíbrio entre a luz e a sombra é rompido a favor da luz solar, no hemisfério norte. Por isso, tradicionalmente, a Páscoa é vista como o anúncio de um novo começo e como algo que abre espaço para o ressurgimento da vida em todas as dimensões da natureza.

Até o século 19, ainda era costume em certas regiões da Europa sair para a natureza na madrugada  do dia da Páscoa e assistir ao nascimento do Sol. Havia a convicção de que o astro-rei dançava de alegria nesse dia, logo acima da linha do horizonte, comemorando o novo período anual de predomínio da luz.

Nos países do hemisfério sul, onde a celebração da Páscoa marca o equinócio de outono, o  momento anuncia a caminhada em  direção ao inverno. Neste caso, o renascimento da Páscoa não é um processo físico ou externo, mas sim interior e espiritual.

O Natal é outro evento pagão de que o cristianismo apenas se apropriou. O nascimento de Jesus é comemorado exatamente no solstício de inverno do hemisfério norte, o auge da estação fria,  a época do ano em que a noite é mais longa. Daí a neve de algodão nos presépios brasileiros. É a partir do solstício de inverno (24-25 de dezembro) que a luz já não perde mais energia e volta pouco a pouco a recuperar sua intensidade, do ponto de vista dos países situados acima da linha do Equador.

Na Roma pagã, o dia 25 de dezembro era dedicado à festa  do “nascimento do sol invencível”. Foi só em meados do século 4 que a  data foi adotada pelos cristãos para comemorar o nascimento de Jesus, “o sol da justiça”.

Assim, a religião cristã é filha e herdeira das antigas tradições  religiosas de comunhão com a natureza e com os astros no céu.  Isso explica por que o texto bíblico Eclesiastes (43: 1-5) celebra o Sol e a Lua deste modo:

“Orgulho das alturas,  firmamento de claridade,  assim aparece o céu em seu espetáculo de glória. O Sol proclama ao nascer: ‘Como é admirável a obra do Altíssimo’. Grande é o Senhor  que o fez, e com sua palavra apressa o seu curso. Também a Lua, sempre exata, a mostrar os tempos, é sinal eterno…”

Para a filosofia esotérica, a transformação de inteligências cósmicas em figuras antropomórficas e  personalizadas é um processo de produção de metáforas e imagens apenas simbólicas. O cosmo é um grande ecossistema inteligente. Embora Francisco de Assis seja famoso por sua visão universal e  panteísta da natureza, muito antes dele o Eclesiastes já exaltava o relâmpago, a neve, as nuvens, os pássaros, o trovão, os montes, o vento, o deserto, e os encarava todos como aspectos externos do processo divino universal.

A Páscoa simboliza, portanto, o renascimento espiritual de todos os seres como parte do ciclo anual e natural da vida.

“A sabedoria consiste em saber o nosso lugar em cada ciclo vital, e  em saber que tipos de ação são necessários para cada momento”, escreve Richard  Heinberg. [1]

Para quem vive no hemisfério sul, há um clima de renascimento físico no equinócio da primavera, em 23 de setembro, porque nesta época do ano tudo  que é verde passa a ressurgir ao nosso redor.

Ao contrário da Páscoa do Norte, a Páscoa outonal do hemisfério sul prepara e anuncia o inverno externo, mas também produz  uma purificação interior. É quando a vida começa a se retirar do plano físico que ela pode florescer melhor no plano espiritual.

Antes do renascimento interior, deve haver a morte, a perda, a renúncia, a austeridade, “tapah”, em sânscrito.

Quarenta dias antes da Páscoa, no auge das dificuldades e do frio no hemisfério norte, começam a quaresma e o jejum. A palavra “carnaval” vem do latim medieval carnelevarium, que significa “afastar a carne”, abster-se de comer carne.

Para alguns, jejum talvez seja uma penitência e um castigo.  Na verdade, comer menos e purificar-se como preparação para um novo ciclo nada tem a ver com castigo ou infelicidade. A prática moderada de jejum é recomendável para a manutenção da saúde. O Jesus do Novo Testamento não foi o único a jejuar. “Todos os grandes mestres da humanidade, dentro e fora do cristianismo, conheciam o mistério dinâmico de dois fatores: o jejum e a oração”, escreveu Huberto Rohden. [2]    E um Mestre dos Himalaias escreveu:

“Jejum , meditação, castidade em pensamento, palavra e ação; silêncio durante certos períodos de tempo para permitir que a própria natureza fale a quem se aproxime dela em busca de informação; domínio das paixões e impulsos animais; completa ausência de egoísmo nas intenções, e o uso de certo incenso e certas fumigações com objetivos fisiológicos, têm sido apontados como instrumentos desde a época de Platão e Jâmblico, no Ocidente, e desde os tempos ainda mais remotos de nossos Rishis hindus.” [3]

O processo de purificação interior que prepara um Renascimento não é necessariamente fácil. Um trecho da Bíblia mostra isso e ilustra a necessidade de coragem. Segundo o Novo Testamento, certo dia, quando já faltava pouco para a Páscoa dos judeus, Jesus foi até Jerusalém.   Chegando ao templo, viu vendedores de bois, ovelhas, pombas e diversos cambistas comodamente sentados e tratando de ganhar dinheiro.  Armado de um chicote, Jesus expulsou-os do templo. (João,  2: 13-22).

Talvez a primeira conclusão a tirar do episódio é que a Páscoa não deve ser vista como um processo meramente comercial. Não há nada de errado em comprar e vender. O que se deve evitar é a confusão entre o que é comercial e o que é sagrado. Além disso, a idéia de comércio nesse trecho do Novo Testamento é simbólica. Ela se refere a toda busca de lucro ou vantagem pessoal à custa de outrem. O templo, na verdade, é a própria consciência de cada indivíduo. Os “mercadores” a serem “expulsos” são a cobiça, o medo e ambição.  A verdadeira Páscoa ocorre no mundo interno, e para vivê-la é preciso deixar de lado a avidez por ganhos pessoais, inclusive aqueles que são sutis. A Páscoa real celebra o renascimento interior que vem depois que o eu pessoal toma a dura decisão de deixar de comportar-se como se fosse o centro do universo. Isso ocorre porque ele descobriu, de fato,  a realidade eterna que há além das ilusões pessoais de curto prazo.

Em toda caminhada espiritual há resistências e obstáculos a vencer.  Por isso, no episódio da expulsão do templo, os vendedores discutem com Jesus e o mestre faz um desafio que antecipa o futuro:

“Destruam esse templo e o levantarei em três dias”.

O Evangelho acrescenta que Jesus não está falando do templo externo, mas do seu próprio corpo.

O corpo físico humano é como um templo que não deve ser desrespeitado porque nele mora um espírito divino, uma alma imortal.  Esse templo pode ser destruído, porque a morte é uma necessidade. Mas ele ressurgirá – porque a cada morte corresponde um renascimento.  A filosofia esotérica concorda com Pitágoras e ensina que a reencarnação é um fato e uma lei.

Nem tudo pode ser dito abertamente, a qualquer momento e para qualquer pessoa.  É preciso ter cuidado com as palavras. Mestre Jesus falava ao povo contando pequenas histórias que possuem vários níveis de significados. Um dia, ele explicou aos seus discípulos mais próximos:

“A vocês foi dado o mistério do reino de Deus; aos de fora, porém, tudo é dito em parábolas para que, vendo, não percebam, e, ouvindo, não entendam”. (Marcos, 4: 1-2)

O que Jesus mostra nessa passagem é que existe no seu ensinamento um aspecto esotérico (interno) e outro exotérico (externo), “para os de fora”. Uma condição central para ter acesso ao aspecto esotérico do ensinamento é a prática das suas lições na vida diária.

“Todo aquele que ouve estas minhas palavras e as põe em prática será comparado a um homem sensato que construiu sua casa  sobre rocha”, disse ele ao povo. “Caiu a chuva, vieram as enxurradas, sopraram os ventos e deram contra aquela casa, mas ela não caiu, porque estava alicerçada na rocha” (Mateus, 7: 24-27).

Para a filosofia esotérica, as escrituras sagradas das diferentes tradições são coleções de mitos, parábolas e narrativas simbólicas. Funcionam como grandes redes generosamente  atiradas pelos pescadores de almas ao mar aberto da humanidade, que só pescam e trazem para os círculos internos aqueles que têm discernimento maduro e tentam continuamente praticar o que aprendem, de modo gradual mas crescente.

Tais aprendizes vivem em harmonia com o ensinamento e por isso vão adquirindo “olhos para ver” e “ouvidos para ouvir”.  Aos poucos, a sabedoria espiritual forma uma espécie de templo  na mente  do aprendiz. Esse santuário interiordeve ser protegido das oscilações de curto prazo.

Jesus usava alegorias,  e a própria vida de Jesus – tal como narrada nos Evangelhos – é uma parábola. Foi montada com base em ensinamentos e narrativas de religiões e tradições mais antigas que o  cristianismo, inclusive o hinduísmo e o budismo.  [4]

O nascimento do Mestre, a traição  que sofreu por parte de  alguém  muito próximo e que o levou à morte, a sua ressurreição, e até a promessa de uma “segunda vinda”, são, todos,  pontos que coincidem com uma lenda egípcia muito mais antiga que os evangelhos cristãos –  a  lenda de Osíris.  E há outros elementos “cristãos” tomados da tradição do Egito, como veremos.

O costume de falar por parábolas está presente nas antigas escolas de mistérios. No Ocidente, era uma característica  central do ensinamento de Pitágoras, 500 anos antes da era chamada cristã. O cristianismo romano alimentou-se abertamente do mundo grego. O próprio sacrifício de Sócrates,  que viveu de 470 a 399 antes da era cristã,  já foi comparado à lenda evangélica da morte de Jesus  pelo pensador brasileiro Alceu Amoroso Lima. [5]

Helena P. Blavatsky explicou:

“Cada atitude do Jesus do Novo Testamento, cada palavra atribuída a ele,  e cada fato relacionado a ele durante os três anos da missão que afirma-se que ele cumpriu, estão baseados no Ciclo da Iniciação, um ciclo fundado na precessão dos equinócios e nos signos do Zodíaco”.[6]

O próprio Ciclo da Iniciação é mencionado na lenda dos evangelhos quando Jesus se refere ao “caminho estreito e difícil que só uns poucos encontram” (Mateus, 7:13-14).

Em “Ísis Sem Véu”, H.P.B. escreveu:

“Era a doutrina da Índia antiga que Jesus estava pregando, quando recomendava a completa renúncia ao mundo e às suas futilidades para buscar o reino dos céus,  Nirvana”. [7]

Jesus ensinava sobre a ressurreição e a descrevia como algo que estará ao alcance –  algum dia –  de todos aqueles que percorrerem o “caminho estreito”.  Mas o que é, exatamente,  ressurreição?

Há vários níveis de resposta para esta pergunta. Vejamos dois deles. Por um lado, a grande ressurreição constitui um projeto de longo prazo. Ela é a libertação espiritual completa, a iluminação definitiva, alcançada apenas por grandes sábios depois de percorrerem,  como Jesus, “todo o ciclo da iniciação”, um processo que envolve repetidas encarnações.

Por outro lado, existe também uma modalidade de ressurreição que está apenas um passo à nossa frente. Podemos vivê-la em pequena escala e no estágio de desenvolvimento em que estamos.  Esse é um detalhe decisivo.  Toda longa caminhada deve começar com um primeiro e pequeno gesto feito exatamente onde o indivíduo está.

O primeiro passo só depende de cada um, e cada passo é sempre o primeiro da extensa caminhada. O longo ciclo das iniciações é vivido em pequena escala no dia-a-dia, porque o microcosmo reflete o macrocosmo. O Sistema solar está presente em cada átomo. O caminho do autoconhecimento encontra o seu resumo fiel  num dia de 24 horas e numa  semana de sete dias. O descanso da noite – e o final da semana –  são como a ressurreição.

A celebração da Páscoa – um costume seguramente pré-judaico e inter-religioso – constitui uma prova viva de que a evolução da alma se dá em comunhão com  o ciclo anual do Sol, e de que coincide com o ciclo das grandes iniciações da filosofia oriental.

Os ovos de Páscoa são herança dos festivais pagãos da primavera do hemisfério norte.  Eles simbolizam o renascimento da vida em toda sua variedade.  Já a presença do coelho nesse “festival de renascimento”  pertence à cultura egípcia. A lebre era símbolo da fertilidade e representava  a periodicidade dos ciclos naturais da vida. A tradição afirmava que o coelho costuma esconder ovos de Páscoa para as crianças procurarem.

As crianças estão ligadas à Páscoa e, de fato, elas são símbolos indiscutíveis do recomeço da vida.  Internamente todo ser humano é como uma criança até o final da sua existência, porque há nele algo que está  sempre  renascendo.  Quando o indivíduo passa a ser consciente disso, ele vive  mais diretamente a primavera permanente que se oculta em cada uma das quatro estações do ano. E isso não é tudo.  Ele também vive com mais eficiência o ciclo maior das quatro idades de uma vida completa.

O outono simboliza a maturidade. O inverno é a velhice. A primavera é a infância, e o verão, a juventude. As quatro idades são igualmente importantes. Não basta ser como crianças para ter acesso ao reino dos céus, isto é, à consciência nirvânica. Para alcançar a iluminação e receber a bênção eterna, é preciso viver simultaneamente as quatro estações do ano a cada dia.

Deve-se combinar a generosidade e a capacidade de aprender, que caracterizam a primavera, com a força e a coragem do verão, que simboliza a juventude.  A maturidade do outono, assim como a sabedoria e a humilde renúncia que são típicas do inverno, constituem características igualmente importantes para quem quer viver a Páscoa de modo completo.

NOTAS:

[1] Richard Heinberg em “The Meaning of the Solstices”, artigo na revista teosófica The Quest, inverno de 1993, Wheaton, Illinois, EUA.

[2] “O Poder do Jejum”, coletânea, volume da Ed. Martim Claret, 1995, p. 50.

[3] “Cartas dos Mahatmas Para A. P. Sinnett”, Ed. Teosófica, Brasília, 2001, edição em dois volumes, Carta 20, volume I, p. 135.

[4] Para ver uma demonstração do caráter lendário dos Evangelhos cristãos,  examine o longo trecho da obra “Ísis Sem Véu” em que  Helena Blavatsky faz um estudo comparado das narrativas sobre as vidas de Krishna, Buddha e Jesus. (“Ísis Sem Véu”, H.P.B., Editora Pensamento, SP, edição em quatro volumes, ver volume IV, pp. 165-170, e também p.179, entre outras.)

[5] Platão, “Apologia de Sócrates”,  prefácio de Alceu Amoroso Lima, Edições de Ouro, 16a. edição.

[6] “Reply to the Mistaken Conceptions of the Abbé Roca Concerning My Observations on Christian Esotericism”, texto incluído em “Collected Writings”, Helena P. Blavatsky, edição em 15 volumes.  Ver volume IX, TPH, India, 1962, 488 pp., página 225, nota ao pé de página.

[7] “Isis Unveiled”, Helena P. Blavatsky, Theosophy Company, Los Angeles, vol. II, p. 286.

000000000000000000000000

Visite sempre  www.FilosofiaEsoterica.com ,  www.TeosofiaOriginal.com  e www.VislumbresdaOutraMargem.com .

Acompanhe nosso trabalho no Facebook .  Siga-nos pelo Twitter .

Para ter acesso a um estudo diário da teosofia original, escreva a lutbr@terra.com.br  e pergunte como é possível acompanhar o trabalho do e-grupo SerAtento.

000000000000000000000000000000000000000000000000000

Artigo originalmente publicado em www.FisosofiaEsoterica.com

http://www.filosofiaesoterica.com/ler.php?id=853

Saint Germain e a Chama Trina do Coração : Energias para Revelação – Texto sobre a Grande Fraternidade Branca

ChamaTrina

As energias dos três primeiros raios existem na Chama Trina, a qual pode ser fortemente invocada a participar do processo através do qual um devoto em particular pretende obter avanço espiritual. Ela consiste em um dos principais símbolos da Sagrada Alquimia que, das Esferas Superiores, vem lhes sendo outorgados. A meditação em sua forma e nas suas cores possibilita o acesso às suas energias, as quais estão também presentes em todas as almas individuais.

                O Senhor Supremo se faz representar pela manifestação de sua Energia Trina nas Chamas Gêmeas vivificadas que dão vida aos Universos e Sistemas de Planetas. Àquele que conquistar as mais elevadas habilidades da Consciência, se lhe revelarão a conformação e o destino do aspecto da Divina Ordem que o contém. Certamente virá o dia em que tal devotado e sincero buscador identificar-se-á com uma das famílias espirituais que abundam no Universo. Quando isso acontecer, haverá chegado o momento em que a parte mais Sublime que lhe cabe realizar, dentro do Plano do Senhor, também lhe será revelada.
                Tais famílias espirituais vivificam a Chama Trina que emana da Trindade Maior, vindo a se expressar conscientemente nas esferas da materialidade quando isso se faz conveniente. A ação das Chamas Gêmeas trinas que conquistaram a Plena Perfeição existencial manifesta o Reino de Deus nas esferas onde Elas possam atuar. Cabe ao Buscador da Luz se inteirar desta Suprema Verdade, com vistas a galgar aos elevados degraus da Ascensão. Quando lá chegar, terá realizado a Identidade da Chama Trina que o contém.
                O símbolo trino que representa esta Chama também invoca a síntese das atribuições dos três primeiros raios. É comum se desenhar ao entrelaçado dos mesmos três raios dentro de um lótus de cor branco irradiante, o qual faz referência direta às energias do quarto raio. Ao visualizarem e meditarem na Chama Trina será conveniente que mantenham o foco das percepções mais sutis, que deste ato tenderão a aflorar, no conteúdo do símbolo como um todo. Sugiro que façam uso do Conhecimento Revelado a fim de ativarem as mais consistentes realizações, as quais lhes serão profundamente necessárias na Caminhada rumo ao seu Sagrado Destino.
Com sinceridade,
Saint Germain

Conteúdo obtido por sintonização através de Valéria Moraes Ornellas, Sacerdotisa da Ordem de Zadkiel e co-fundadora da Editora Sétimo Raio, Rio de Janeiro – RJ, e originalmente publicado neste blog. Se desejar divulgar este texto, favor citar devidamente a autoria e a fonte original da publicação.

Ordem de Zadkiel

A PONTE: ATRAVESSANDO PARA UMA NOVA REALIDADE – Mensagem de Célia Fenn

Mensagem de Célia Fenn

21 de Janeiro de 2014

 

 

A IMPORTÂNCIA DA ANCORAGEM

 

O início do ano de 2014 tem sido intenso e bastante caótico!

 

A recente Lua Cheia em Câncer/Capricórnio e as poderosas Explosões Solares fizeram com que todos sentissem o poder das energias. Além disto, está a chegada das novas energias da Natureza sobre as quais o Arcanjo Miguel falou, as poderosas energias elementais da terra que estão formando um novo relacionamento entre a humanidade e o ambiente. É, realmente, um tempo de mudanças intensas e emocionantes.

 

A maior parte das perguntas que eu recebo das pessoas é sobre como enfrentar estas poderosas energias. A resposta é sempre dupla… estar desperto e consciente e saber o que está acontecendo, e estar plenamente ancorado, o que eu acho que é realmente a mesma coisa!

 

Assim, em resumo, vejamos por que as energias estiveram parecendo tão intensas.

 

Em primeiro lugar… o sol. Estamos em um período que é chamado de “Máximo Solar”, quando o Sol está liberando continuamente poderosas explosões solares em direção à Terra. Em termos Metafísicos, esta é a liberação dos Códigos ou Informações Solares de Luz, que são absorvidos na Terra e no Corpo Físico e no Corpo de Luz de todos os seres vivos.

 

Se o seu Corpo de Luz estiver plenamente ativado para o Nível Solar, esta informação é absorvida em seu Corpo de Luz e transmitida ao seu Corpo Físico, através da Glândula Pituitária e do sistema de Meridianos.

 

Quando estas ondas dos Códigos de Luz são particularmente fortes, então isto pode causar turbulência em seu próprio sistema do corpo. Isto é porque o Sistema Humano Galáctico está projetado para ANCORAR estas energias ou transmiti-las para as Grades da Terra.

 

O Humano Galáctico ou Novo Humano é uma ponte entre os diferentes níveis e dimensões.

 

Isto somente funciona bem quando a pessoa está ancorada e pode permitir que a energia flua através dela e na Terra, onde ela é absorvida e usada pela Terra.

 

Quando vocês não estão bem ancorados, então vocês obtêm o que é conhecido como “Sintomas da Ascensão”. A energia intensa não pode ser ancorada e ela simplesmente circula dentro do seu sistema energético, ativando todos os padrões que vocês poderiam estar mantendo neste nível.

 

O mais comum é a energia que alimenta o segundo e terceiro chacras, os níveis do emocional e mental, e vocês começam a criar “velhos padrões”. Ouço muitas pessoas dizendo “Pensei que tivesse eliminado isto, mas voltou novamente!”

 

Bem, sim, vocês o eliminaram, mas ele foi reativado pela intensa energia, não porque precisasse ser eliminado mais, mais e mais, mas porque esta energia é intensamente criativa e absolutamente precisa criar. Assim, se vocês não estiverem criando nada de novo, então simplesmente criarão o velho, inúmeras vezes.

 

Assim, realmente, é nossa a responsabilidade de começarmos novas criações e começarmos a ancorar estas novas criações. A energia está aqui para nos apoiar, mas precisamos entrar nesta Nova Realidade e neste novo relacionamento com a Natureza.

 

Quando vocês percebem velhos padrões chegando, por que simplesmente dizer “não” e avançar? Não lhes dê energia, sigam em frente para algo novo e ancorem a energia em uma nova criação e não no mesmo velho, no mesmo velho, novamente.

 

Simplesmente é que com a nossa história da Psicologia do século XX, parece que precisamos curar e processar para sempre. Na verdade, na Nova Realidade precisamos aceitar que se nos concentrarmos no Momento Presente… no AGORA… então o passado não é um problema. Não precisamos recriá-lo novamente e simplesmente digamos não, se nós o vermos chegando.

 

Temos realmente escolhas.

 

Mas temos que estar despertos e conscientes do que estamos criando, a fim de fazermos estas escolhas.

 

Desta maneira, podemos entrar no Pleno Poder do Novo Padrão Humano Galáctico e desfrutarmos deste intenso poder criativo dos Códigos Solares de Luz, enquanto eles são recebidos na Terra. Mas temos que ter certeza de que a energia não está “presa” nos padrões emocionais e mentais do passado e que é permitido o fluxo nas novas criações e realidades.

 

Assim, com toda esta feliz “Dança do Sol” que estivemos fazendo, estivemos também fazendo a Dança da Lua com as energias. A Lua Cheia, em Câncer, esteve particularmente poderosa neste período de elevada atividade Solar, porque estava em Câncer… uma lua da água. Luas da água ativam o Fluxo das Emoções e dos Sentimentos, especialmente em relação à Casa e à Família.

 

Assim, nos últimos dias, vocês podem ter sentido uma energia intensa em torno destas áreas. É a energia criativa e a energia do sentimento. Vocês podem ter se sentido chorosos e prontos para chorar por nada! Vocês podem ter sentido uma solidão intensa, ou raiva, ou qualquer quantidade de sentimentos. Sim… comemorem por estarem se re-conectando com os seus sentimentos.

 

Na velha realidade ficamos tão imersos na cultura pop “mental”, na TV e na mídia que fomos, muitas vezes, incapazes de distinguir o que estávamos realmente sentindo e o que estávamos sendo instados a sentir pelo controle da mente, através da mídia.

 

Agora, à medida que despertamos, começamos a reconhecer os nossos próprios sentimentos e estes podem ser muito intensos, às vezes. Como devem ser. Somente os “sentimentos” entorpecidos e controlados que não têm intensidade.

 

Estamos aprendendo a estar bem com a intensidade, sem permitirmos que eles se tornem disfuncionais ou agressivos. Em vez disto, celebrem o poder que flui através destes sentimentos!

 

Na Nova Realidade, precisamos estar Fortes e Ancorados.

Somos Mestres da Luz e Guerreiros Solares.

Temos que fazer escolhas o tempo todo e estamos criando a cada momento!

 

A Nova Energia Elemental do “Espírito da Floresta” está tentando trabalhar conosco, criar e manifestar no nível da Terra e trazer à forma, novas criações que levarão a Marca da Inteligência Criativa Divina e os novos Códigos de Luz.

 

É um tempo emocionante, poderoso e desafiador no Planeta Terra, enquanto nos dirigimos para o Novo e sabendo que estamos Criando o Novo, a cada escolha que fazemos!

 

Por favor, respeite todos os créditos.

http://stelalecocq.blogspot.com/2014/01/a-ponte-atravessando-para-u…

© 2013 Celia Fenn e Starchild Global

http://www.starchildascension.org/

Este trabalho é licenciado sob a Creative Commons License

Você é livre para copiar, distribuir, exibir e executar a obra, sob as seguintes condições: Você deve dar crédito ao autor, não poderá utilizar este procedimento para fins comerciais, e você não pode alterar, transformar ou basear – se neste trabalho. Para qualquer reutilização ou distribuição, você deve deixar claro para outros os termos da licença deste trabalho. Qualquer uma destas condições pode ser revogada se você obtiver permissão do detentor dos direitos autorais. Qualquer outra finalidade de utilização deve ser concedida autorização pelo autor.

Tradução: Regina Drumond Chichorro – reginamadrumond@yahoo.com.br

Grata Regina!

LUZ!

STELA

 

AS QUATRO ESTAÇÕES DA VIDA

Você já notou a perfeição que existe na natureza? Uma prova incontestável da harmonia que rege a Criação. Como num poema cósmico, Deus rima a vida humana com o ritmo dos Mundos.

Ao nascermos, é a primavera que eclode em seus perfumes e cores. Tudo é festa. A pele é viçosa. Cabelos e olhos brilham, o sorriso é fácil. Tudo traduz esperança e alegria.

Delicada primavera, como as crianças que encantam os nossos olhos com sua graça. Nessa época, tudo parece sorrir. Nenhuma preocupação perturba a alma.

A juventude corresponde ao auge do verão. Estação de calor e beleza, abençoada pelas chuvas ocasionais. O sol aquece as almas, renovam-se as promessas.

Os jovens acreditam que podem todas as coisas, que farão revoluções no Mundo, que corrigirão todos os erros.

Trazem a alma aquecida pelo entusiasmo. São impetuosos, vibrantes. Seus impulsos fortes também podem ser passageiros… Como as tempestades de verão.

Mas a vida corre célere. E um dia – que surpresa – a força do verão já se foi.

Uma olhada ao espelho nos mostra rugas, os cabelos que começam a embranquecer, mas também aponta a mente trabalhada pela maturidade, a conquista de uma visão mais completa sobre a existência. É a chegada do outono.

Nessa estação, a palavra é plenitude. Outono remete a uma época de reflexão e de profunda beleza. Suas paisagens inspiradoras – de folhas douradas e céus de cores incríveis – traduzem bem esse momento de nossa vida.

No outono da existência já não há a ingenuidade infantil ou o ímpeto incontido da juventude, mas há sabedoria acumulada, experiência e muita disposição para viver cada momento, aproveitando cada segundo.

Enfim, um dia chega o inverno. A mais inquietante das estações. Muitos temem o inverno, como temem a velhice. É que esquecem a beleza misteriosa das paisagens cobertas de neve.

Época de recolhimento? Em parte. O inverno é também a época do compartilhamento de experiências.

Quem disse que a velhice é triste? Ela pode ser calorosa e feliz, como uma noite de inverno diante da lareira, na companhia dos seres amados.

Velhice também pode ser chocolate quente, sorrisos gentis, leitura sossegada, generosidade com filhos e netos. Basta que não se deixe que o frio enregele a alma.

Felizes seremos nós se aproveitarmos a beleza de cada estação. Da primavera levarmos pela vida inteira a espontaneidade e a alegria.

Do verão, a leveza e a força de vontade. Do outono, a reflexão. Do inverno, a experiência que se compartilha com os seres amados.

A mensagem das estações em nossa vida vai além. Quando pensar com tristeza na velhice, afaste de imediato essa idéia.

Lembre-se que após o inverno surge novamente a primavera. E tudo recomeça.

Nós também recomeçaremos. Nossa trajetória não se resume ao fim do inverno. Há outras vidas, com novas estações. E todas iniciam pela primavera da idade.

Após a morte, ressurgiremos em outros planos da vida. E seremos plenos, seremos belos. Basta para isso amar. Amar muito.

Amar as pessoas, as flores, os bichos, os Mundos que giram serenos. Amar, enfim, a Criação Divina. Amar tanto que a vida se transforme numa eterna primavera.

Redação do Momento Espírita.

A VIAGEM ESPIRITUAL DE UM POETA


:: Wagner Borges ::
Ainda agora, enquanto eu estudava na quietude do meu quarto, lembrei-me de um poeta extrafísico amigo. Imediatamente senti vontade de escrever algo sobre o arco-íris.
Por isso vim aqui para o computador ver o que rola nessa rara noite quieta de São Paulo, metrópole ainda sonolenta depois das festas de passagem de ano.
Lá no céu nublado não dá para ver nem estrelas nesse momento, mas a lembrança de um poeta extrafísico pode varar as dimensões e chegar por aqui em forma de ideia colorida.

Não tenho o talento do meu amigo com as palavras, mas posso pegar a ideia e transcrevê-la aqui do meu jeito mesmo. Com certeza que não terá a beleza de sua arte, mas portará algo legal: as cores de uma idéia na tela mental dos leitores.

* * *

Certa vez, um poeta admirava um arco-íris enquanto esperava a inspiração chegar. Inicialmente ele pensou em escrever um poema para sua amada. Depois, ele pensou em escrever algo para uma amiga idosa, senhora a qual ele idolatrava e que morava distante. Finalmente, resolveu escrever algo dedicado a um rishi (sábio) que ele admirava muito.

Lá no céu, os raios solares faziam a festa na atmosfera e tocavam as gotinhas de água em suspensão nas nuvens. O efeito disso era um portentoso arco-íris que encantava o poeta.

Em certo instante, ele fechou os olhos em busca da inspiração. Para sua surpresa, um majestoso deva* emergiu do ar à sua frente e saudou-o em silêncio.
Então, o poeta foi tomado por uma poderosa sensação de enlevo espiritual. De maneira arrebatadora, o seu corpo espiritual projetou-se para fora do corpo físico e elevou-se a grande altura.

Ao seu lado no ar estava o deva silencioso. Em torno dele havia uma aura multicolorida. Porém, o que mais encantou o poeta projetado foi a postura majestosa natural que emanava daquele ser. Parecia que o próprio ar em torno respeitava aquele enviado celeste.

O poeta olhou para baixo e viu o seu corpo físico sentado de olhos fechados e totalmente imóvel, vazio de seu dono, deixado ali temporariamente animado por sua vitalidade instintiva.
Voltando a olhar para o deva à sua frente no ar, este lhe fez um gesto apontando para o arco-íris, que agora lhe parecia muito mais brilhante em suas cores.
A seguir, o deva lhe passou um ensinamento espiritual secreto e voou para a imensidão estelar de onde tinha vindo.

O poeta voltou abruptamente para o corpo, como se despencasse das alturas atraído por laços vitais invisíveis para dentro da carne instintiva. Ele não lembrou claramente de tudo, e começou a escrever naquele mesmo instante uma poesia dedicada ao Grande Arquiteto do Universo, que seria publicada posteriormente em um de seus livros mais conhecidos.
Com o tempo, assim como ocorre com todos os homens submetidos à roda reencarnatória, o poeta voltou para a pátria espiritual, lá no céu dos poetas generosos.

* * *

Até hoje, ninguém sabe qual foi o ensinamento que o deva lhe passou. Porém, aquela experiência o marcou muito. Tanto que ele pensou nela lá no céu, e sua lembrança acabou varando as barreiras interdimensionais e chegando aqui como uma idéia na noite quieta.
Sei lá por que, mas imagino o meu amigo extrafísico escutando espiritualmente do deva algo assim: 

“Olhe o arco-íris e receba o ensinamento das cores:
O vermelho chama para a vida. Ele é o guardião da carne. Ele é o elo com a terra.
O laranja emana saúde física e disposição saudável para os empreendimentos. Ele é o guardião da vitalidade. 
O amarelo é o vivificador natural da inteligência. Ele é o guardião da alegria e da criatividade. Ele é o estimulador da vitalidade e da vontade de criar e expressar no mundo os talentos da inteligência.
O verde é o amigo de todas as cores. É o guardião da cura e do carisma. É o estabilizador dos sentimentos manifestados no corpo e no espírito.
O azul celeste é a cor da tranqüilidade. É o guardião das aspirações elevadas. É paz.
O azul índigo é o guardião das visões espirituais. É o mestre que levanta o véu da mente e arrebata o espírito às alturas de seus potenciais latentes.
O violeta é o mestre das transformações. É o guardião da ascensão secreta que eleva o espírito do homem gradualmente ao longo dos ciclos evolutivos. É o alquimista espiritual transformando o vil metal dos desejos egoístas em aspirações douradas de progresso e ascensão na jornada do aprendizado.
Algures, na eternidade de suas vivências além da carne, em alguma noite calma, você se lembrará integralmente desse nosso encontro. E sua lembrança fecundará espiritualmente o coração de um amigo, que mesmo na noite nublada da cidade cinzenta e dolorida de violência, escreverá sobre as sete cores do arco-íris.”

PS: Há quatro formas de se olhar um arco-íris:
1. Pela óptica de um técnico, que só vê um fenômeno natural de refração da luz. 
2. Pela óptica do poeta, que se inspira e escreve algo legal. 
3. Pela óptica do sábio, que vê Brahman ** em tudo, e apenas ri e diz: “As cores, o poeta, o técnico, o deva e tudo mais são aspectos do TODO que está em tudo! 
4. Pela óptica do Pai-Mãe de todos, que também ri e diz:
“É legal pra caramba ver um arco-íris aqui de cima. Será que eles gostaram daquele tom de violeta na freqüência mais alta”?
(Esses escritos são dedicados a Rabindranath Tagore, maravilhoso poeta hindu que iluminou sua passagem pela Terra com escritos inspirados) 
Paz e Luz.

– Wagner Borges – São Paulo 
* Deva (do sânscrito): Divindade; Anjo; Ser celestial.
** Brahman (do sânscrito): O Todo, O Grande Arquiteto Do Universo, Deus, Papai do Céu, Mãe Divina, ou qualquer outro nome que alguém inventar para tentar designar o Supremo que habita em todos os corações.